Redes Sociais: Guia de Marketing Para as Redes Sociais Mais Usadas



Você quer saber tudo sobre as redes sociais e como elas podem fazer o seu negócio crescer?

As redes sociais fazem parte da tendência que mais cresce na história mundial. Esse setor tem crescido mais rápido que a internet em si.

É desnecessário dizer que, se você ainda não sabe como fazer marketing em redes sociais, você terá que aprender – ou vai perder a longo prazo.

Mas se fosse fácil sair por aí apenas criando conteúdos e postando nas redes sociais, não teríamos tantos casos de fracassos, não é mesmo?!

Eu preparei esse material completo para ensinar você tudo o que você precisa saber sobre rede social.

Se você tem um orçamento para investir em Marketing, eu sugiro muito que você separe uma verba para investir em marketing de redes sociais, por menor que seja.

E não se preocupe! Neste guia, você vai entender os principais conceitos, as principais redes sociais segundo a relevância e seus contextos, os termos utilizados e terminará – tenho certeza – muito mais preparado para iniciar o seu plano de atuação nas redes sociais.

Boa leitura!


O que é rede social

Tenho certeza que, ao ouvir falar de “rede social”, imediatamente, você pensa em Facebook ou Instagram, ou qualquer outro aplicativo desse gênero.

Mas a verdade é que a história das redes sociais é muito mais antiga. A Sociologia o utiliza para analisar as interações e organizações das pessoas em grupos e sociedades, desde muito antes do surgimento da própria internet. Afinal, o que são as redes sociais?

É verdade que, com o mundo cada vez mais online, é impossível não ligar o assunto com os aplicativos e plataformas de interações no ambiente digital, afinal o conceito é o mesmo:

Significado: Rede social é uma estrutura composta a partir da conexão entre pessoas que têm em comum: culturas, interesses, valores, objetivos ou pensamentos.

Neste contexto, rede social é o site ou aplicativo que permite que as pessoas se manifestem e compartilhem informações. Compartilhar, aliás, é palavra de ordem.

Cada uma das rede sociais pode ter um objetivo específico, seja profissional, de relacionamento, entretenimento e outros.

Muito se fala a respeito da mudança de comportamento dos usuários, que criam um mundo virtual de aparências e acabam por evitar o contato real entre pessoas.

Eu não pretendo aprofundar o assunto da psicologia e o uso das redes sociais, mas o Mário Sérgio Cortella faz isso brilhantemente neste vídeo, caso possa lhe interessar.

Mesmo assim, analisar a mudança de comportamento é útil, tendo em vista que isso influencia diretamente a maneira com que as empresas fazem seus negócios e geram seus resultados.

Se a grande maioria dos seus consumidores estão presentes e ativos nas redes sociais – sejam elas quais forem – não faz o menor sentido que a sua empresa também não esteja lá.


Quando surgiu

Na década de 1990, com a internet se tornando o meio de comunicação, de pesquisa e de trabalho, a ideia de rede social migrou rapidamente para este ambiente online.

Muitos atribuem ao Six Degrees o título de pioneiro nesse trabalho, afinal, em 1997, o site já permitia que você criasse um perfil e adicionasse outros participantes, muito semelhante com o que temos hoje.

O site atingiu o ápice de 3,5 milhões de usuários e foi descontinuado, em 2001. Na época, já existiam outras redes sociais que estavam cada mais populares entre as pessoas.

MySpace, o falecido (e tão amado pelos brasileiros) Orkut, e mesmo os de conversa, que embora não sejam considerados exatamente como rede social, ajudaram a moldar este comportamento de interações onlines dos usuários.

Tão antigos quanto o Six Degrees, o mIRC e o ICQ fizeram parte de uma geração ávida por compartilhar informações entre pessoas de todas as partes do mundo. (Se você tem menos de 30 anos, provavelmente nem saiba do que estou falando).

A partir daí, viver diferente parece impossível. Estar presente em pelo menos uma rede social é quase como um documento de identificação. Se você não está no Facebook, você não existe, não importa se você tem CPF ou certidão de nascimento.

Pode parecer exagero, mas uma pesquisa do Hootsuite aponta que 2,8 bilhões de pessoas usavam redes sociais no mundo, no final de 2016. Hoje, os números certamente são maiores.

Este é um caminho sem volta e, a cada dia que passa, redes sociais novas surgem e novos usuários se cadastram.

Não tem mais como negar que a rede social é um veículo poderoso para a atuação das empresas.


Redes sociais x Mídias sociais

Tem muita confusão entre os termos e a maioria das pessoas acredita que sejam sinônimos. E não são.

Rede social, como falei anteriormente, é o local de encontro, de conexão entre pessoas que compartilham interesses em comum.

Mídia social, por sua vez, abrange todas as mídias utilizadas para transmitir uma informação ou comunicação, como vídeos, blogs e outros.

Você cria sua rede social quando se conecta com pessoas e utiliza as mídias sociais para transmitir informações e/ou compartilhar conteúdos.

É difícil separar uma coisa da outra, eu sei, mas vou tentar exemplificar.

Pense no objetivo primário de um site. O Facebook, por exemplo, existe para que as pessoas se conectem, criando uma rede de amigos que vão interagir e “conviver”.

Mas o Facebook tem uma funcionalidade de seguir, sem a necessidade de uma solicitação de amizade, certo?

Isso vai ser usado apenas para que você acompanhe o conteúdo publicado por determinada pessoa, sem que ela faça parte da sua rede de fato. Então, neste ponto, ele é uma mídia social.

O mesmo serve para o Twitter, cujo objetivo primário é o compartilhamento de conteúdos.

A mídia social é ampla e abrange todos os meios online para divulgação e relacionamento, e é chamada de “new media”. “Nova Mídia” por serem divergentes das mídias tradicionais, como a TV e o rádio, embora seu objetivo seja o mesmo: levar o máximo de conteúdos ao maior número de pessoas possível.

a rede social é uma parte da mídia social. Por isso, toda rede social é também uma mídia social, uma vez que só se constrói uma rede caso também haja a troca de informações e interações entre os usuários.

Mas o contrário não é verdadeiro. Uma mídia social não será, necessariamente, uma rede social, pois ela pode existir sem que haja a conexão entre as pessoas de interesses em comum. Um exemplo disso são as mídias pagas, como as display.


Pontos positivos das redes sociais

O uso crescente das redes sociais no Brasil e em todo o mundo, é uma realidade inegável. Faz parte do dia a dia e interfere diretamente no comportamento das pessoas, em vários âmbitos.

Tamanha é a popularidade e presença na vida cotidiana das pessoas que as empresas acabaram presentes nas redes, mesmo sem querer.

Com a possibilidade de aproximação dos usuários, independente da sua localização geográfica, ficou muito fácil trocar opiniões, criticar ou espalhar rumores sobre algo que deu errado durante uma experiência de compra, por exemplo.

Por isso, uma coisa é certa: querendo ou não, a sua empresa estará, como se dizia antigamente, na “boca do povo”. Cabe a você decidir se fará parte desse discurso ou se deixará que falem por você.

São inúmeros os benefícios de uma atuação consistente nas redes sociais. Não é à toa que as empresas investem mais e mais em profissionais especializados neste trabalho.


Compartilhar a visão da empresa

Muitas empresas se esforçam para divulgar a sua visão, seus valores e no que acreditam. O que antes era um desafio, hoje pode ser feito de forma natural e genuína.

Se posicione em temas importantes e que estejam alinhados com o que sua empresa acredita e defende. Faça com que as redes sociais trabalhem como uma vitrine para você.

Seja transparente e honesto, e isso será valorizado, gerando valor para a sua marca.

A personalização da mensagem e a interação direta com o cliente

Enquanto as mídias de massa, como TV e rádio, transmitem uma mensagem única para inúmeros espectadores, a rede social lhe permite falar individualmente com cada um deles, na linguagem própria de cada um.

Para um público jovem, por exemplo, é interessante que a mensagem seja despojada, mais impessoal. Por outro lado, pessoas com um ar mais sério requerem uma mensagem mais formal, munida de caráter responsável.

Desta forma, cada público dispõe de uma maneira diferente de interação, logo, sua mensagem deve se adaptar a cada público definido.

Tente aproximar a sua relação com o seu público-alvo. Isso trará grandes benefícios à médio e longo prazo.

Possibilidade de segmentação do público

Ao publicar em uma rede social, é possível segmentar o público com detalhes bastante específicos, que possam atrair os usuários que têm tudo a ver com a sua marca. Se você oferece cursos profissionalizantes, por exemplo, seu público costuma ter bastante interesse nos termos “faculdade”, “livros”, “ensino ead”, entre outros.

Aqui, você precisa conhecer os gostos do seu público e definir uma comunicação direcionada e assertiva para atingi-lo.

Poder saber mais sobre cada um dos seus clientes

As pessoas compartilham tudo nas redes sociais. Preferências, desejos, sonhos, gostos pessoais, dúvidas, desconfianças e insatisfações.

Com um bom trabalho de análise e um pouco de interesse, você pode ter informações valiosas para a criação de um novo produto ou direcionamento de uma nova campanha, por exemplo. Trata-se de apresentar algo útil para quem busca aquilo que você oferece.

Possibilidade de vender por estes canais

As empresas não estariam presentes nas redes sociais se isso não gerasse resultado para elas.

Além de agregar valor à marca, ser um ótimo veículo de divulgação e possibilitar reverter possíveis consumidores insatisfeitos, as redes sociais também permitem que você faça negócios através dela, com a venda efetiva dos seus produtos e serviços ou, no mínimo, como ponto de início de uma possível negociação.

Criar um ambiente controlado pela marca

Aqui vale o que falei um pouco mais acima. Você estando ou não presente, será mencionado em algum momento. Assim sendo, vai de você participar do discurso, direcionando a comunicação para o caminho que você prefere seguir, ou deixar que façam isso por você – e aí o risco é todo seu.

Possibilidade de divulgação para empresas com baixo orçamento

Diferente das mídias tradicionais, que custam um absurdo, especialmente em horários nobres, as redes sociais têm um custo baixo e, dependendo do seu trabalho de conteúdo e de captação de seguidores, pode até ser nulo.

Além disso, você tem a possibilidade de mensurar os resultados com alta precisão, permitindo que tenha condições de avaliar que tipos de conteúdo têm mais efeito com o seu público, qual canal gera mais resultados, dentre outros diversos parâmetros igualmente importantes.

Informação em tempo real

Timing é muito importante. A rede social permite que a empresa faça comunicados importantes e de forma instantânea, sem precisar perder tempo aguardando uma publicação oficial em veículos tradicionais.

Ter essa atuação constante e cuidado com o timing pode ajudar a resolver ou, no mínimo, minimizar uma crise, passando comunicados menos dramáticos e que impactam no negócio, como, por exemplo, um horário de atendimento diferenciado em determinado dia, uma falha nos números de telefone da empresa, etc.

Quais os tipos de redes sociais

Talvez você nunca tenha parado para pensar sobre isso, mas existem tipos diferentes de redes sociais. Faz sentido?

Bom, se rede social é a conexão entre pessoas que tenham objetivos, interesses e valores em comum, então rede social é tudo igual, certo?!

Não, não é. Isso porque o objetivo daquela conexão vai variar, e é esse objetivo que determina o tipo das redes sociais.

Trazendo isso pra vida real, imagine seus círculos sociais. Você tem uma rede de colegas de trabalho, profissionais da sua área; tem seu círculo de amigos para compartilhar uma cerveja num bar; tem sua rede de pessoas pelas quais você tem algum interesse amoroso ou físico; enfim, são vários os seus círculos sociais.

Sabemos, então, que existem grupos específicos na sua vida, seja para compartilhar assuntos, momentos ou informações diferentes. No mundo virtual não é diferente, e eu vou explicar para você quais os principais tipos de redes sociais e, assim, você poderá entender as suas respectivas diferenças e saber como se posicionar de acordo com o contexto de cada uma delas.

Rede social de relacionamento

Toda rede social é relacionamento, embora algumas plataformas foram criadas especialmente para promover o encontro e a interação entre as pessoas. É o caso do Facebook, que foi concebido com o propósito de conectar pessoas.

Outras redes sociais que você conhece, como o Twitter, LinkedIn e Instagram, também são redes de relacionamento, entretanto, elas se encaixam em outras categorias de rede social.

Rede social de entretenimento

A rede social de entretenimento tem como objetivo primário consumir conteúdo, e não conectar pessoas. O exemplo mais conhecido é o YouTube, que ganhou uma relevância enorme no cotidiano das pessoas pelo volume de